Informações sobre planos
Curitiba (41) 3340-8787
Porto Alegre (51) 3333-6000
Rio de Janeiro 4000-1987

As transformações sociais que o covid-19 causou

Em meio à ansiedade gerada pela pandemia surgiram novos hábitos e modelos de convivência, que vieram para ficar

Diante de um ambiente convulsivo e cheio de incertezas, as mudanças no comportamento social não tardaram a chegar. Pessoas, empresas e ambientes têm contribuído para o surgimento de fenômenos, comportamentos e produtos ou serviços que buscam introduzir mudanças nas sociedades modernas.

Em grande parte devido à situação tão incerta que o mundo se encontra, não há certeza sobre o que vai acontecer. Porém, marcos como a cultura da limpeza, a hipervigilância, a digitalização da vida e o paradoxo que surge entre o coletivo e o individual, apresentam-se como sinais que marcam um antes e um depois nas principais cidades do mundo.

Em relação à cultura de vigilância e digitalização da vida, as experiências do digital vão continuar porque percebemos que podemos fazer muitas coisas, que antes eram presenciais, por meio das plataformas digitais, e com isso surgiram formas alternativas de realizar nossas tarefas e interagir com o mundo. Como consequência deste movimento, vemos crescer o monitoramento mais constante da saúde e da segurança das pessoas, que incorporaram à suas rotinas o teleatendimento, home office, EAD e entretenimento à distância.

No entanto, uma vez controlada a pandemia, pode surgir um novo despertar do relacionamento presencial e necessidade da desconexão como hábito necessário aos cuidados em saúde mental.

Da mesma forma, fenômenos como o medo do outro e o despertar da solidariedade também estão gerando mudanças nas sociedades atuais. Embora esses comportamentos sejam ambíguos, em meio a uma crise global de saúde como a atual, as polaridades e os comportamentos contraditórios são intensificados.

Quanto à solidariedade, percebemos que a dor do outro desperta no ser humano uma empatia natural. A humanidade atravessa uma fase de aproximação com o infortúnio alheio, pois as necessidades se intensificam e as pessoas sentem a responsabilidade de contribuir, a partir de suas capacidades, para quem precisa.

Outra mudança de comportamento é a incorporação de uma cultura da limpeza, em que as pessoas passaram a cumprir protocolos que buscam frear contágio, mudando hábitos sociais relacionado ao corpo e sua higiene.

A nossa relação com o tempo mudou, verificando uma certa desaceleração da vida, na medida que as pessoas passaram a ter tempo para fazer coisas que antes achavam que não conseguiam, por exemplo, cozinhar e meditar.

Vemos, também, as pessoas com uma tendência de ressignificar o modo como habitam o mundo, realizando atividades alinhadas a um propósito de vida, de maneira a contribuir com a saúde mental.

O distanciamento social levou a necessidade de migração de alguns rituais para o ambiente virtual, como celebrar aniversários, matar a saudade de amigos e entes queridos.

Assistimos o fortalecimento das redes de colaboração, que visam buscar soluções para problemas, seja no âmbito de mercado ou solidário.

Fonte: Sura • Colombia