Informações sobre planos
Curitiba (41) 3340-8787
Porto Alegre (51) 3333-6000
Rio de Janeiro 4000-1987

É possível encontrar equilíbrio emocional diante do luto

Perder um ente querido é muito difícil, mas existem dicas para ajudar a redescobrir sua força interior

Perder um ente querido é muito difícil, mas existem dicas para ajudar a redescobrir sua força interior.

A humanidade vive atualmente uma situação que põe à prova a sua capacidade de resiliência. Perdas de autoridades, artistas, celebridades e pessoas próximas de todos nós é algo cada vez mais comum e mexe de maneira significativa conosco.

Por sua vez, este momento é a melhor oportunidade para aprender a superar as adversidades e recuperar o controle sobre as emoções. Lidar com a morte de um membro da família ou amigo próximo é complexo, especialmente na atual conjuntura, portanto, cuidados especiais são necessários para superar a dor.

Neste contexto, o processo de perda de um ente querido parte da compreensão da morte como uma etapa natural da existência. Fugir não é solução. Não julgar, não comparar e não diagnosticar é o princípio fundamental para lidar com o luto.

Como as tradicionais cerimônias de despedida de um ente querido foram canceladas, é normal que as pessoas vivam, além da angústia gerada pela perda, a ausência desses ritos. No entanto, esta é a oportunidade de aprender a se conectar de novas maneiras. Esses momentos devem ir além dos protocolos e, ao contrário, devem ser baseados nos detalhes que os tornam sagrados.

Toda a população vive um período de luto por enfrentar perdas muito próximas ou que ocorrem no contexto imediato, o que afeta o emocional.

Com a intenção de apoiar durante o processo de perda, especialistas compartilham seis dicas que o ajudam a recuperar o equilíbrio emocional:

Reconheça suas emoções: você pode sentir tristeza, frustração, angústia, raiva, desespero, medo, culpa ou incerteza. Aceite essas emoções porque elas são consistentes com a situação que você está enfrentando e reconheça que está passando por um processo difícil. Lembre-se de que essas emoções não são negativas, mas adaptativas: elas permitem que você siga em frente.

Expresse suas emoções: as pessoas têm maneiras diferentes de expressar o que pensam e sentem. Alguns preferem chorar ou gritar; outros, escrever, pintar, desenhar ou falar. Quando sentir necessidade de se expressar, faça-o com naturalidade e tente manter o equilíbrio para não exagerar, mas sim para que sua resposta corresponda ao que está sentindo.

Cuide da sua saúde: Os dias de ausência do seu ente querido podem fazer com que você negligencie o seu bem-estar físico. Esteja atento a cada necessidade do seu corpo.

Restaure sua rotina: com uma boa atitude e o acompanhamento de seus amigos e familiares, você retornará, aos poucos, às rotinas que foram afetadas pela ausência de alguém próximo.

Não se isole: nos momentos difíceis você deve estar mais unido do que antes com sua família, amigos, colegas de trabalho e todas as pessoas que geram paz de espírito. Chame aqueles amigos próximos com quem o diálogo é positivo.

Procure ajuda: Você pode sentir que essa perda está além de suas próprias capacidades. Nessa situação ou quando tiver comportamentos como o consumo excessivo de energéticos, cafeína, álcool, drogas, etc., procure ajuda profissional.

Como lidar com crianças e adolescentes?

Os pequenos também experimentam mudanças em seu ambiente quando enfrentam processos de luto. Lembre-se do seguinte para tornar sua dor mais suportável e evitar afetar seus comportamentos, emoções e rotinas:

– O primeiro passo para lidar com o luto das crianças (e até mesmo dos jovens) é estar ciente de que elas não entendem a linguagem dos adultos. Para alcançá-los, é necessário fazê-lo com a linguagem do amor, sempre partindo da verdade. Você tem que dizer a eles, com paciência e empatia, que a pessoa que eles amam morreu e não está mais fisicamente, mas ainda está presente em seus corações.

– É essencial dar-lhes segurança e fazer com que saibam que estão protegidos por aqueles que continuam a estar ao seu redor.

– Que se expressar é vital, por isso devemos proporcionar espaços para que eles possam comunicar suas emoções por meio de jogos, atividades e conversas agradáveis.

– Crianças e jovens podem ter mudanças de comportamento devido à tristeza. É melhor permanecer empático e compreensivo; esta é uma reação decorrente da perda.

– Para conversar com os pequenos, os pais e responsáveis ​​podem se apoiar em histórias que explicam o que está acontecendo.

Fonte: Sura • Colombia

Foto de Alex Green no Pexels